Cariri Como Eu Vejo

Seu cheiro pode dar pistas de quão saudável você está, revela a ciência

Centenas de compostos químicos saem de nossos corpos para o ar a cada segundo. Esses compostos são liberados facilmente, pois têm altas pressões de vapor, o que significa que fervem e se transformam em gases à temperatura ambiente. E eles trazem pistas sobre quem somos e quão saudáveis estamos.

Desde os tempos da Grécia antiga sabemos que temos um cheiro diferente quando não estamos bem. Embora hoje dependamos de exames de sangue, os médicos gregos antigos usavam o olfato para diagnosticar doenças. Se eles cheirassem o seu hálito e o descrevessem como fetor hepaticus (que significa “fígado ruim”), isso significava que você poderia estar com insuficiência hepática.

Se o hálito de uma pessoa fosse doce ou frutado, os médicos achavam que isso significava que os açúcares do sistema digestivo não estavam sendo decompostos e que a pessoa provavelmente tinha diabetes. Desde então, a ciência demonstrou que os gregos antigos estavam certos: insuficiência hepática e diabetes e muitas outras doenças, inclusive infecciosas, dão ao hálito odores característicos.

Em 1971, o químico Linus Pauling, ganhador do Prêmio Nobel contou 250 diferentes substâncias químicas gasosas no hálito. Essas substâncias químicas gasosas são chamadas de compostos orgânicos voláteis, ou VOCs, na sigla em ingês.

Desde a descoberta de Pauling, outros cientistas descobriram centenas de VOCs em nossa respiração. Descobrimos que muitos desses compostos voláteis têm odores característicos, mas alguns não têm um cheiro que nosso nariz possa perceber.

Os cientistas acreditam que, independentemente de um VOC ter um odor que nosso nariz possa detectar ou não, ele pode revelar informações sobre a saúde de uma pessoa.

O início da doença de Parkinson de um homem escocês foi identificado por sua esposa, a enfermeira aposentada Joy Milner, depois que ela se convenceu de que o cheiro dele havia mudado, anos antes de ele ser diagnosticado em 2005. Essa descoberta levou a programas de pesquisa envolvendo Joy Milner para identificar o cheiro preciso dessa doença.

Os cães podem farejar mais doenças do que os humanos devido a seus talentos olfativos mais sofisticados. Mas as avanços tecnológicos, como a a espectrometria de massa, detectam mudanças ainda mais sutis nos perfis de VOCs que estão sendo associados a doenças intestinais, cutâneas e respiratórias, bem como a doenças neurológicas, como Parkinson. Os pesquisadores acreditam que um dia algumas doenças serão diagnosticadas simplesmente pela respiração em um dispositivo.

De onde vêm os VOCs?

A respiração não é a única fonte de VOCs no corpo. Eles também são emitidos pela pele, urina e fezes.

Os VOCs da pele são o resultado de milhões de glândulas que removem resíduos metabólicos do corpo, bem como resíduos gerados por bactérias e outros micróbios que vivem nela. O suor produz nutrientes extras para essas bactérias metabolizarem, o que pode resultar em VOCs particularmente odoríferos. No entanto, o odor do suor representa apenas uma fração dos aromas dos VOCs.

Nossa pele e também nossos microbiomas intestinais são formados por um equilíbrio delicado desses micro-organismos. Os cientistas acreditam que eles influenciam nossa saúde, mas ainda não entendemos muito sobre como essa relação funciona.

Ao contrário do intestino, a pele é relativamente fácil de ser estudada: é possível coletar amostras de pele de seres humanos vivos sem precisar penetrar profundamente no corpo. Os cientistas acreditam que os VOCs da pele podem oferecer percepções sobre como as bactérias do microbioma e o corpo humano trabalham juntos para manter nossa saúde e nos proteger de doenças.

No laboratório da minha equipe, estamos investigando se a assinatura VOC da pele pode revelar diferentes atributos da pessoa a quem ela pertence. Esses sinais dos VOCs da pele são provavelmente a forma como os cães distinguem as pessoas pelo cheiro.

Estamos em um estágio relativamente inicial nessa área de pesquisa, mas mostramos que é possível distinguir machos de fêmeas com base na acidez dos VOCs da pele. Usamos a espectrometria de massa para ver isso, pois o nariz humano não é sofisticado o suficiente para detectar esses VOCs.

Também podemos prever a idade de uma pessoa com uma precisão razoável de alguns anos com base em seu perfil de VOCs da pele. Isso não é surpreendente, considerando que o estresse oxidativo em nossos corpos aumenta à medida que envelhecemos.

O estresse oxidativo ocorre quando os níveis de antioxidantes estão baixos, e causa danos irreversíveis às células e aos órgãos. Nossa pesquisa recente encontrou subprodutos desse dano oxidativo nos perfis de VOCs da pele.

Esses VOCs não são apenas responsáveis pelo cheiro pessoal, eles são usados por plantas, insetos e animais como um canal de comunicação. As plantas estão em um diálogo constante de VOCs com outros organismos, incluindo polinizadores, herbívoros, outras plantas e seus inimigos naturais, como bactérias e insetos nocivos. Os VOCs usados para esse diálogo são conhecidos como feromônios.

O que a ciência tem mostrado sobre os feromônios do amor?

No reino animal, há boas evidências de que os VOCs podem agir como afrodisíacos. Os camundongos, por exemplo, têm micróbios que contribuem para um composto particularmente malcheiroso chamado trimetilamina, que permite que os animais verifiquem a espécie de um parceiro em potencial. Os porcos e os elefantes também têm feromônios sexuais.

É possível que os seres humanos também produzam VOCs para atrair o parceiro perfeito. Os cientistas ainda não conseguiram decifrar totalmente a pele – ou outros VOCs que são liberados de nossos corpos. Mas as evidências dos feromônios do amor humano até agora são controversas, na melhor das hipóteses. Uma hipótese sugere que eles foram perdidos há cerca de 23 milhões de anos, quando os primatas desenvolveram a visão total das cores e começaram a confiar em sua visão aprimorada para escolher um parceiro.

No entanto, acreditamos que, independentemente da existência ou não de feromônios humanos, os VOCs da pele podem revelar quem somos e como somos, em termos de coisas como envelhecimento, nutrição e condicionamento físico, fertilidade e até mesmo níveis de estresse. Essa assinatura provavelmente contém marcadores que podemos usar para monitorar nossa saúde e diagnosticar doenças.

Fonte: CNN

Foto: andreswd/Getty Images

Compartilhe:

Descubra mais sobre Cariri como eu vejo

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading