Cariri Como Eu Vejo

PGR é favorável à soltura de Filipe Martins, ex-assessor de Jair Bolsonaro

A Procuradoria-Geral da República (PGR) deu parecer favorável à liberdade de Filipe Martins, preso pela Polícia Federal em 8 de fevereiro na Operação Tempus Veritatis, que investiga uma suposta tentativa de golpe de Estado.

Segundo a PGR, o fundamento da prisão foi baseado no argumento de que ele teria saído do Brasil a bordo de um avião presidencial em 30 de dezembro de 2022, com o então presidente Jair Bolsonaro (PL), “sem se submeter ao controle migratório da Polícia Federal”, o que poderia indicar, segundo a investigação, evasão do país “para se furtar de responsabilização criminal”.

A PGR aponta que a defesa do ex-assessor internacional de Bolsonaro requereu, porém, que embora constasse na lista de passageiros, não realizou a viagem, permanecendo no país e que apresentou documentação probatória.

“Nessas circunstâncias, reduz-se a percepção de risco para as investigações e para a aplicação da Lei Penal. A pretensão de relaxamento de custódia parece reunir suficientes razões práticas e jurídicas, sem embargo de serem tomadas providências de cautela, como a proibição de deixar o país e a retenção de passaporte”, assina Paulo Gonet Branco, procurador-geral da República.

Os advogados João Vinícius Manssur, William Iliadis Janssen e Ricardo Scheiffer, que representam Filipe Martins, disseram que a manifestação da PGR é “acertada” “em razão dos argumentos e elementos fático-jurídicos ao requerer a revogação da prisão preventiva”. A defesa se diz confiante na decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do inquérito.

Segundo a PF, Filipe Martins figurava no “núcleo jurídico” de um plano de golpe que estaria sendo planejado no Brasil durante o governo Bolsonaro para mantê-lo na Presidência após derrota nas eleições. E aponta Martins como um dos responsáveis pela apresentação de uma “minuta do golpe” a Bolsonaro.

O ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, tenente-coronel Mauro Cid, implicou Martins em uma delação premiada e apontou o então assessor como responsável por apresentar o documento que teria o objetivo de mudar as eleições presidenciais. Martins nega.

Fonte: CNN Brasil

Compartilhe:

Descubra mais sobre Cariri como eu vejo

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading