Cariri Como Eu Vejo

Lula assina ordem de serviço para ramal da transposição do rio São Francisco no Ceará

Anúncio de obras que vão levar água potável para a população e aumentar a eficiência no transporte de mercadorias da região Nordeste por meio de trilhos. Essas ações fizeram parte da agenda do presidente Luiz Inácio Lula da Silva na manhã desta sexta-feira (5/4), em Iguatu, no Ceará.

Lula participou da assinatura da ordem de serviço para a implantação do Ramal do Salgado, obra de 36 km ligada à transposição do Rio São Francisco. O ramal vai conectar Cachoeira dos Índios, na Paraíba, a Lavras de Mangabeira, no Ceará, onde deságua no Rio Salgado.

Além de conectar regiões historicamente carentes de recursos hídricos, o Ramal do Salgado traz uma série de benefícios para os habitantes dessas áreas. Estima-se que aproximadamente 5 milhões de pessoas em 54 municípios sejam diretamente beneficiadas com a segurança hídrica proporcionada. O alívio é de extrema importância em uma região frequentemente atingida por períodos de seca.

Ao reduzir o percurso em cerca de 100 km em comparação com a derivação em Jati, a adução da água ao açude Castanhão vai trazer rapidez e eficiência da transferência de vazões. Isso beneficia a Região Metropolitana de Fortaleza, maior centro urbano a ser atendido pelo Projeto da Transposição, e permite o abastecimento de cidades de médio porte, como Lavras da Mangabeira, Aurora, Cedro e Icó.

O ministro da Integração e do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, informou que o PAC conta com 62 obras de infraestrutura hídrica no Nordeste, das quais 31 estão ligadas à transposição do Rio São Francisco. “Nós estamos falando de obras que iniciaram no ano passado, antes mesmo do presidente Lula ter o primeiro orçamento, e que está sendo dado continuidade e novas obras anunciadas”, disse o ministro.

Transnordestina

Lula também acompanhou as obras de Ferrovia Transnordestina. Estratégica para o transporte de grãos, minérios, fertilizantes e combustíveis, a ferrovia que terá 1.206 quilômetros, ligará, quando concluída, o sertão do Piauí, a partir da cidade de Eliseu Martins, ao porto de Pecém (CE).

A Ferrovia Transnordestina tem obras mais intensas neste instante no trecho entre Acopiara e Quixeramobim, no Ceará. Estão sendo feitas obras de infraestrutura, como terraplanagem e drenagem, para, posteriormente, iniciar os trabalhos de superestrutura, de instalação de trilhos e dormentes.

O presidente Lula disse que a conclusão da Transnordestina é uma obsessão e quer a ferrovia sendo usada, também, para o transporte de passageiros.

“Nós vamos terminar essa ferrovia. No ano que vem eu quero pegar o lugar mais longínquo do Piauí, entrar em um vagão e vir até este local para saber quanto é que falta. O compromisso da empresa é que a gente possa terminar ou até final de 2026 ou até o primeiro trimestre de 2027. Se depender do Governo, vamos terminar porque vamos cumprir todos os acordos firmados e não vai faltar recursos”, ressaltou.

O presidente defendeu a construção de ferrovias para baratear os fretes no país, hoje feito, na maioria, por meios rodoviários.

O avanço da obra nesta região deve gerar mais 1,3 mil postos de trabalho. “Vamos gerar emprego construindo a ferrovia e depois gerar emprego transportando mercadorias”, finalizou o presidente.

Atualmente são 3,8 mil empregos, entre diretos e indiretos, com mais de 90% de mão de obra local. Em 2025, o número pode saltar para 23.200 empregos. Em 2023 foram investidos cerca de R$ 269 milhões nas obras, que hoje contam com uma evolução de 61% de avanço físico.

“Uma rodovia de mais de 1.200 Kms, dos quais 679 já estão prontos e nós vamos, nos próximos meses, contratar o restante dela. Essa ferrovia tem, com salários médios de R$ 2.800, 2.600 homens trabalhando, mas até o final do ano nós vamos dobrar esse número”, disse o ministro dos Transportes, Renan Filho.

De Eliseu Martins, no Piauí, até o Porto de Pecém, no Ceará, a Transnordestina terá uma extensão de mais de 1,2 mil quilômetros, passando por 53 municípios dos estados do Piauí, Ceará e Pernambuco. A ferrovia será responsável pelo transporte de grãos, fertilizantes, cimento, combustíveis e minério. Boa parte dessa carga seguirá para o mercado externo. Um dos projetos prioritários do Novo PAC, a Transnordestina teve, no governo Lula, o trecho Salgueiro-Suape (PE) reinserido no PAC. Ele havia sido retirado do contrato na gestão anterior.

Terminais

A Transnordestina prevê atuar com três terminais de carga no Ceará. Eles atenderão não apenas os grandes produtores de grãos a partir do Piauí, mas também a bacia leiteira e pequenos e médios agricultores cearenses. Um dos terminais, com foco em grãos, ficará na região entre Iguatu e Quixadá. A localização dos outros dois – um para combustíveis e outro para fertilizantes – ainda será definida pela Transnordestina Logística S/A (TLSA), empresa privada do Grupo CSN, responsável pela construção e operação da Ferrovia Transnordestina.

Significado

A Transnordestina é considerada estratégica para a logística do Nordeste e do país. Ela representará um novo marco no escoamento de produtos da região do Matopiba, formada pelo estado do Tocantins e partes de Maranhão, Piauí e Bahia. Vai reduzir o custo logístico e tornar os produtos brasileiros ainda mais competitivos no mercado mundial.

Foto: Ricardo Stuckert

Compartilhe:

Descubra mais sobre Cariri como eu vejo

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading