Cariri Como Eu Vejo

Fertilização in vitro é a opção para pacientes com câncer terem filhos

Quando Kailani Greenwood tinha 20 anos, ela foi submetida a tratamento para linfoma de Hodgkin, um câncer do sistema imunológico. A terapia funcionou no início e a ajudou a permanecer em remissão pelos cinco anos seguintes.

Mas o câncer voltou. E desta vez foi necessário um regime de terapias mais rigoroso. Isso significava, segundo os médicos de Greenwood, que ele tinha outra coisa com que se preocupar.

“Eu teria que passar por quimioterapia, radioterapia e transplante de células-tronco, o que os médicos me disseram que levaria à infertilidade”, explica Greenwood, agora com 31 anos e morando em Montgomery, Alabama (EUA).

“Foi um choque, porque, sinceramente, pensei que era só uma vez e que nada iria acontecer mais comigo. Mas quando voltou foi como um bumerangue.”

Alguns tratamentos contra o câncer, como quimioterapia e radioterapia, podem danificar células e órgãos reprodutivos. Os médicos dizem que a preservação da fertilidade – através do congelamento de óvulos, espermatozoides ou embriões – deve ser discutida com todos os jovens com câncer, que poderiam recorrer à fertilização in vitro para terem filhos.

“Algumas pessoas podem até passar pela menopausa devido a tratamentos contra o câncer”, diz Serena Chen, diretora de defesa da fertilidade do CCRM de Nova Jersey e cofundadora do grupo de defesa Médicos pela Fertilidade.  “Todos deveriam ter acesso total a essas informações de aconselhamento e a capacidade de fazê-lo.”

Fertilização in vitro em risco

No Alabama, onde uma decisão do Supremo Tribunal estadual no mês passado forçou três clínicas a suspender os tratamentos de fertilização in vitro, pacientes com câncer e sobreviventes como Greenwood se preocupam com a perda de acesso a um caminho crucial para o crescimento das suas famílias.

“Este é um caminho importante para muitas mulheres e famílias terem esperança e amor, para se perseverarem num momento em que, honestamente, estamos tão vulneráveis, e para darem às famílias a oportunidade de um dia terem sua própria família”, diz ela.

Sabendo que queria ter a opção de ser mãe, Greenwood decidiu congelar seus óvulos antes de se submeter ao transplante de células-tronco. No entanto, ela teve que agir rapidamente.

“Você não tem várias opções para tentar extrair óvulos”, explicou ela. “Na verdade, você tem um prazo muito limitado porque isso significa atrasar o tratamento do câncer”.

Beth Malizia, especialista em infertilidade e cirurgia reprodutiva e que se tornou médica de Greenwood no Alabama Fertility Specialists, disse que situações como a dela são “uma parte muito intensa” do processo de tratamento.

“Temos muitos pacientes que têm muitas circunstâncias que os levam a necessitar urgentemente dos nossos cuidados”, disse Malizia. “Mas o câncer é certamente uma das coisas mais urgentes.”

A retirada dos óvulos foi um sucesso e, cinco anos depois, novamente em remissão após o transplante de células-tronco, Greenwood passou pela fertilização in vitro para tentar engravidar. O processo envolve a fertilização de óvulos com espermatozoides em laboratório para criar embriões; pelo menos um é então transferido para o útero da paciente.

“Tivemos muita sorte com a primeira transferência de embriões”, diz Greenwood. “E estou feliz em informar que estou grávida de 33 semanas de uma menina saudável.”

Vários embriões geralmente são criados por meio de fertilização in vitro e aqueles que não são usados imediatamente são congelados e armazenados para possíveis tentativas futuras de gravidez, ou doados ou destruídos.

Em 16 de fevereiro, a Suprema Corte do Alabama decidiu que embriões congelados são crianças sob a Lei de Morte Injusta de uma Criança de 1872, criando incerteza jurídica para médicos e clínicas de fertilização in vitro sobre o tratamento dos embriões.

“Tem sido absolutamente doloroso”, disse Malizia, cuja clínica foi uma das três no estado que suspendeu os tratamentos de fertilização in vitro após a decisão. “Tem sido uma situação horrível em termos de descobrir o que é melhor para os pacientes, que é o nosso objetivo. Queremos apenas que as famílias no Alabama possam crescer”.

Greenwood e Malizia falaram à CNN na última terça-feira (27), um dia antes de os defensores do acesso à fertilização in vitro se reunirem na capital do estado para instar os legisladores a aprovarem a legislação que proteja esses tratamentos.

A Câmara e o Senado estaduais aprovaram na quinta-feira (29)  projetos de lei que os legisladores disseram que pretendiam colocar na mesa do governador esta semana.

Greenwood disse que tem mais quatro embriões armazenados na Alabama Fertility e que quer ter mais filhos.

“Pretendo continuar morando no Alabama no futuro próximo”, disse ela. “Então, quando chegar a hora de ter um segundo filho – sempre quisemos ter pelo menos dois, se não mais – usarei os embriões que tenho atualmente. … Eles são minha única opção para ter mais filhos.”

Fonte: CNN Brasil

Foto: Pixabay

Compartilhe:

Descubra mais sobre Cariri como eu vejo

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading