Cariri Como Eu Vejo

Estrela morta “canibal” é avistada com cicatriz após consumir parte de planeta

Astrônomos avistaram a rara imagem que comprova que uma estrela morta consumiu um fragmento de planeta que a orbitava: uma cicatriz metálica em sua superfície. A novidade mostra que a natureza dinâmica dos sistemas planetários, mesmo nas fases finais do ciclo de vida de uma estrela.

Essa descoberta, segundo cientistas, também pode prever o eventual destino do nosso próprio sistema solar.

Os planetas se formam a partir de redemoinhos de gás e poeira chamados de “disco protoplantério”. Esses redemoinhos ficam em torno de uma estrela recém-formada. Conforme a estrela envelhece e morre, ela pode consumir os próprios planetas e asteroides que contribuíram para sua criação.

Dessa forma, é como se a estrela fosse “canibal”.

Os astrônomos observaram a estrela morta, conhecida como uma anã branca, localizada a cerca de 63 anos-luz de distância da Terra, utilizando o gigantesco telescópio no Observatório Europeu do Sul, no Chile. Com a observação, foi possível identificar a cracterística metálica na superfície da estrela, que, segundo os pesquisadores, está relacionada a uma alteração no campo magnético da estrela. Um novo estudo com os detalhes da observação foram publicados na revista científica “The Astrophysical Journal Letters” nesta segunda-feira (26).

“É conhecido que algumas anãs brancas – que esfriam lentamente brasas de estrelas como o nosso Sol – canibalizam pedaços de seus sistemas planetários. Agora, descobrimos que o campo magnético da estrela desempenha um papel fundamental nesse processo, resultando em uma cicatriz na superfície da anã branca”, explicou o principal autor do estudo, Stefano Bagnulo, astrônomo do Observatório e Planetário Armagh, na Irlanda do Norte, em comunicado.

A anã branca, chamada de WD 0816-310, é o remanescente de uma estrela que já foi semelhante ao nosso Sol, mas maior. Os restos hoje tem o tamanho semelhante ao da Terra. O objeto estelar adquiriu uma marca escura em sua superfície, que revelou ser uma concentração de metais.

“Demonstramos que esses metais se originam de um fragmento planetário tão grande ou possivelmente maior que Vesta, que tem cerca de 500 quilômetros de diâmetro e é o segundo maior asteroide do Sistema Solar”, disse o co-autor do estudo, o professor de astrofísica da University College Londe, Jay Farihi.

Uma conexão magnética

Enquanto trabalhava com o telescópio, a equipe de cientistas utilizou o instrumento FORS2, considerado um “canivete suíço” pelos pesquisadores, para determinar como o metal se tornou parte da estrela. FORS2 é a abreviação de Redutor Focal/Espectrógrafo de Baixa Dispersão 2.

À medida que os astrônomos observavam a estrela, notaram que a concentração do metal detectado mudava enquanto a estrela girava. Em vez de se espalhar pela superfície da estrela,  como previsto pela teoria astronómica, o metal concentrou-se numa área, conforme informou um dos co-autores do estudo, o professor emérito de física e astronomia na Western University, no Canadá, John Landstreet.

A força da detecção do metal também foi sincronizada com as mudanças observadas no campo magnético da estrela, o que levou a equipe a determinar que a cicatriz de metal estava localizada em um dos pólos magnéticos da estrela.

Segundo o estudo, o campo magnético da estrela puxou os metais em direção à estrela, o que causou a cicatriz.

“Esta cicatriz é uma mancha concentrada de material planetário, mantida no lugar pelo mesmo campo magnético que guiou os fragmentos que caíram”, disse Landstreet, também afiliado ao Observatório e Planetário Armagh. “Nada assim foi visto antes.”

Uma estrela peculiar

Observações anteriores de anãs brancas mostraram que as estrelas mortas têm superfícies repletas de metais. As características metálicas são provavelmente provenientes de planetas ou asteroides que se aproximaram demais da estrela – tal como os cometas que voam perto do Sol no nosso sistema solar.

Mas a estrela WD 0816-310 apresenta um cenário totalmente diferente, que foi orquestrado pelo campo magnético da estrela. O processo é semelhante ao modo como as auroras criam exibições brilhantes perto dos polos da Terra, à medida que partículas energéticas do Sol colidem com a atmosfera da Terra.

Os autores do estudo disseram que as suas observações mostram as ações dinâmicas que podem ocorrer dentro de outros sistemas planetários, mesmo após a morte da estrela hospedeira.

Dentro de cerca de 5 bilhões de anos, é esperado que o nosso Sol se torne uma anã branca. Mas, primeiro, a esfera dourada irá se tornar uma gigante vermelha, inchando e expandindo à medida que liberta camadas de material. As gigantes vermelhas formam-se quando as estrelas esgotam o seu fornecimento de hidrogénio para a fusão nuclear e começam a morrer.

Sendo uma gigante vermelha, o Sol provavelmente irá evaporar os planetas internos do sistema solar, como Mercúrio e Vênus, embora o destino da Terra permaneça incerto, segundo a NASA.

Fonte: CNN Brasil

Foto: L. Calçada/ESO

Compartilhe:

Descubra mais sobre Cariri como eu vejo

Assine agora mesmo para continuar lendo e ter acesso ao arquivo completo.

Continue reading