Programa da Cagece visa a descarbonização dos serviços de água e esgoto no Ceará

Um programa de descarbonização, criado pela Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), irá reduzir e compensar as emissões de carbono pela empresa nos próximos 10 anos. A iniciativa conta com um investimento na ordem de R$ 15 milhões e prevê projetos sustentáveis que serão executados pela companhia, em parceria com outros órgãos do Governo do Ceará, beneficiando diferentes regiões do estado.

- continua depois da publicidade -

------

O programa foi desenvolvido por Suelen Araújo, engenheira ambiental da companhia, e trata-se de uma iniciativa de responsabilidade e compromisso com a sustentabilidade em seus três pilares (econômico, social e ambiental), e de enfrentamento aos impactos da crise climática global, na qual as atividades do setor de saneamento não estão imunes.

“Todo o programa será subsidiado por informações levantadas pelo Inventário Anual de Gases de Efeito Estufa (GEE), uma estratégia adotada pela Cagece, desde 2021, para mapear suas fontes de emissão de CO2 e outros gases de efeito estufa. Vamos trabalhar na redução da emissão dos GEEs e fazer a compensação em paralelo, de forma a contribuir o mínimo possível para as alterações climáticas com a nossa atividade”, ressalta Suelen Araújo.

- publicidade -

------

Em termos de redução, a Cagece vai atuar através do programa em suas emissões diretas de CO2, com adequações nas Estações de Tratamento de Água e Esgoto (ETAs e ETEs), assim como em sua frota de veículos para uma operacionalização de baixo carbono. Quanto às emissões indiretas decorrentes da compra de energia elétrica, o programa prevê avanços na produção e consumo de energia limpa e renovável pela companhia.

Já o que não será possível reduzir, a Cagece vai compensar com a execução de outras ações sustentáveis, entre as quais destaca-se um projeto de reflorestamento, que vai priorizar as áreas no entorno dos açudes de abastecimento, com objetivo de melhorar a qualidade da água dos mananciais.

Saiba mais

Para o reflorestamento, serão criados bancos de sementes para a produção de mudas em quatro regiões do Ceará: Sertão Central, Litoral, Serra e no Cariri. Além disso, cada uma das Unidades de Negócio de negócio da companhia pelo estado contará com um viveiro sustentável. A irrigação se dará por meio do uso de água de reúso e a adubação e fertilização das plantas será por meio da utilização do lodo gerado por ETAs e ETEs.

Contents

Deixe o seu comentário