Altaneira pode ser primeiro município caririense a contar com plano de combate ao racismo

_________

Contextualizando com o fato histórico em memória da Lei Áurea e com a luta nacional para combate ao racismo estrutural do Brasil, um município do Cariri pode ser pioneiro na contribuição à população negra da região. Altaneira deve receber nesta quinta-feira (13), um projeto que permitirá o município ter um Plano Municipal de Combate ao Racismo e de Construção da Equidade Racial.

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

A proposta, que parte do professor Nicolau Neto, escritor do blog Negro Nicolau, deve ser apresentada em transmissão virtual às 15h, e deve interpor a iniciativa não só para a cidade, mas também como modelo para os demais municípios caririenses. No ensejo, haverá apresentação, debate e complementação do plano, além de discussão sobre as formas de implementação deste na localidade.

Conforme aborda Nicolau, a abolição da escravidão determinou o fim da escravização da população negra no Brasil. Esse processo se deu por meio da Lei Áurea, aprovada no dia 13 de maio de 1888 com a assinatura da regente do Brasil, a princesa Isabel. O que não é contado na grande maioria dos livros didáticos nas escolas é que a abolição é um processo inconcluso e ainda assim foi fruto de uma campanha popular que pressionou o Império para que a instituição da escravidão fosse abolida de nosso país e consequência direta de revoltas pensadas e organizadas por negros e negras. Não foi algo dado.

destacou como “uma das leis mais relevantes da História do país, o que representa um momento importante, mas não determinante, para nós população negra: a abolição da escravidão”. Segundo ele, “o processo histórico que culminou com a escravidão de negros, negras e povos nativos (indígenas) alterou as relações étnicas. Foram mais de três séculos de escravização sustentadas aqui” e afirma que a essa abolição foi “votada pela elite e não alterou a vida dos escravizados, das escravizadas e, como uma das consequências sentidas hoje está o racismo estrutural”.

O professor frisou que entende a data como mais uma oportunidade de denúncia do preconceito, da discriminação e do racismo, mas também de apontamento de caminhos para superá-los e que por isso irá “apresentar nesta quinta, 13, o Plano Municipal de Combate ao Racismo e de Construção da Equidade Racial em Altaneira”.

De acordo com ele, “o momento, que ocorrerá de formar virtual, contará com a participação da Secretária de Governo, Leocádia Soares, da Secretária de Educação, Zuleide Ferreira, do Secretário de Cultura, Antônio de Kaci, de Diretores/as escolares, Coordenadores/as e Formadores Educacionais, parlamentares e de representantes do Sindicato dos Servidores Municipais de Altaneira (Sinsema), José Evantuil e Lúcia de Lucena”.

Foto: Fabricio Ferraz

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

Fonte: Portal Badalo

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

Comentarios

Comente