Abertas inscrições para formação em cultura e educação indígenas

_________

Estão abertas até o dia 06 de maio as inscrições para o Seminário de Formação “Cultura e Educação: diferentes visões dos povos originários”, promovido pelo campus de Crato do Instituto Federal do Ceará em parceria com as Secretarias de Cultura e de Educação do município, a Universidade Regional do Cariri e o Geopark Araripe. Aberto a todos os interessados na área, o seminário será gratuito e online, com cinco encontros ao longo do mês. As inscrições podem ser feitas pelo formulário bit.ly/IFCEpovosoriginarios. São 250 vagas no total.

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

Com a participação de representantes de diferentes povos, a formação deve possibilitar a apresentação do legado cultural dos povos ancestrais pré-coloniais por meio dos próprios herdeiros, a partir de sua ótica e vivência. Durante os encontros virtuais, serão debatidos temas como a abordagem étnico-histórica dos povos originários no Ceará, etnografia não-colonial, a espiritualidade dos povos originários, direitos indígenas e indígenas no contexto urbano, entre outros.

A coordenadora do Núcleo de Estudos Afrobrasileiros e Indígenas (NEABI) do IFCE Crato, Verioní Bastos, explica que o seminário atende a necessidade de desenvolver ações práticas para subsidiar os profissionais no desenvolvimento de aulas transversais, seguindo a Lei Nº 11.645, de 2008. “Paralelamente a isso, a ideia do evento surge a partir da riqueza que a região do Kariri guarda da herança e nos processos atuais dos Povos Originários de Pindó Mar’ãnham”. O seminário contribui na capacitação de educadores para o ensino da história e da cultura indígenas nos níveis fundamental e médio, como determinado pela lei.

Bastos destaca também a relevância da formação para a compreensão dos Povos Originários do Ceará,  que é berço de várias etnias e lugar da Nação Kariri: “É importante saber dessa cultura e de todo o processo histórico que os Povos Originários viveram e vivem aqui, enraizados no bem viver e na experiência coletiva, local onde o IFCE Crato está localizado com sua missão e atividades estreitamente ligadas ao modo de relação com a Natureza”.

Programação

Os cinco encontros do seminário acontecerão online, na tarde dos dias 7, 11, 14, 21 e 28 de maio, com duração de quatro horas cada.
Confira abaixo a programação completa:

07 de maio | 14h às 18h
Dzutorarãde (“nosso livro”): Abordagem étnico-histórica dos Povos Originários no Ceará
Ebedzú (fonte): Valdivino Neto- Étnia Kariú Kariri. Graduado em História (UECE), cursando Especialização em Etnologia Indígena (FARESE) e mestrando do MIHL (Feclesc – UECE).
Dzutorarãde (“nosso livro”): Etnografia não-colonial
Ebedzú (fonte): Mbo’esara Esãîã Tremembé – Etnia Tremembé, Camocim-CE. Filósofo, pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Mestre e Doutorando em Antropologia social – UFAM. Pesquisador no Núcleo de Pesquisa Maracá PPGA/UFAM. Professor de Filosofia da rede básica de educação de Santa Isabel do Rio Negro/AM. Pesquisa os Yanonami do Rio Marauiá e os Baré, sobre couvade.

11 de maio | 16h às 18h

Dzutorarãde (“nosso livro”): Espiritualidade dos Povos Originários
Ebedzú (fonte): Ĭgihóbóku Ingorar – Pataxó hã hã hãe. Guardião da espiritualidade e ancestralidade dos povos que habitavam o sertão da ressaca na Bahia nos meados de 1800. Os hã hã hãe nômades ora por tradição e outras vezes por necessidade de sobrevivência. Utiliza de conhecimentos ancestrais, para manter vivo costumes e práticas espirituais para cuidar da saúde física e espiritual daqueles que necessitam.

Dzutorarãde (“nosso livro”): As práticas da espiritualidade dos Povos Originários: uma abordagem do Povo Kapinawá
Ebedzú (fonte): Nywhá – Etnia Kapinawá. Aldeia Malhador – TI Kapinawá.
Dzutorarãde (“nosso livro”): Ensino Religioso e abordagem da espiritualidade dos Povos Originários na escola
Ebedzú (fonte): Verioní R. Bastos – Kahañe. Historiadora (URCA). M em Ciências das Religiões (UFPB). Coordenadora do NEABI Campus Crato. Retomada Kariri. Conselheira do Conselho Municipal de Cultura do Crato.

14 de maio | 14h30 às 18h
Dzutorarãde Embohó:
Dzutorarãde (“nosso livro”): Resistência e Luta dos Cariris do Poço Dantas Umari
Ebedzú (fonte): Vanda Cariri – liderança indígena/Associação dos Índios Cariris do Poço Dantas/Umari. Educadora e doutora em Geografia (UNESP)
Dzutorarãde (“nosso livro”): Arte Originária de Pindo M’arahan
Ebedzú (fonte): Merremii Karão-Jaguaribara – Etnia Karão Jaguaribaras. Agricultora, ambientalista, poetisa, artista plástica – Art-Taowás (pinturas e grafismos); Graduanda em Sociologia-Unilab-CE.

Dzutorarãde (“nosso livro”): Raça e Etnia: Olhares invertidos – a problemática da inflexão dos conceitos.

Ebedzú (fonte): Mbo’esara Esãîã Tremembé – Etnia Tremembé, Camocim-CE. Filósofo, pós-graduado em Neuropsicopedagogia, Mestre e Doutorando em Antropologia social – UFAM. Pesquisador no Núcleo de Pesquisa Maracá PPGA/UFAM. Professor de Filosofia da rede básica de educação de Santa Isabel do Rio Negro/AM. Pesquisa os Yanonami do Rio Marauiá e os Baré, sobre couvade.

Dzutorarãde (“nosso livro”): Museu do Povo Kapinawá e a relação com a sua espiritualidade: sobre a noção de museus-vivos
Woroné (intérprete): Ronaldo Kapinawá. Especialista em Arqueologia Social Inclusiva (URCA).

Dzutorarãde (“nosso livro”): Direitos indígenas e Indígenas no contexto urbano
Woroné (intérprete): Luis Roberto de Paula – Docente na UFABC. Doutor em Antropologia Social (UFABC). Consultor de estudos: impacto ambiental sobre povos indígenas: em processos de identificação de terras indígenas e quilombolas.

21 de maio | 14h às 18h

Dzutorarãde (“nosso livro”): Estudantes e escolas indígenas. Diversidade em todos os contextos.

Woroné (intérprete): Marcos Antônio de Oliveira – Bacharelado e licenciatura plena em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998), mestrado em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001) e Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2020). Atualmente é professor efetivo do Instituto Federal de Roraima, no campus Boa Vista – Zona Oeste.
Ebedzu (fonte): Jonildo Viana. Graduado em Ciências Sociais/Antropologia (UFRR). Doutor em Educação pelo PPGE/FACED (UFAM) Professor em Ciências Sociais (UFRR). Coordenou do Curso de Licenciatura Intercultural/Insikiran. Coordenou a Ação: Saberes Indígenas na Escola – SECADI/MEC.

Dia 28 de maio | 14h às 18h

Dzutorarãde Embohó: Relatos de experiências de professores na formação de alunos indígenas e Os Kariri do Cariri Cearense
Ebedzú (fonte): Cristina Kariri – CE. Liderança do Povo Kariri de Crateús – Aldeia Maratoan. Professora de Educação “indígena”. Coordenadora do Museu Tereza Kariri.

Woroné (intérprete): Luciana da Silva Barros – Professora dedicação exclusiva na Escola Agrotécnica da Universidade Federal de Roraima. Doutora em Biodiversidade e Biotecnologia, na área de concentração em Biodiversidade e Conservação pela UFRR, Programa BIONORTE. Mestre em Recursos Naturais pela UFRR (2007) e graduada em Engenharia Agronômica pela UFRA (1996).

Woroné (intérprete): Joelma Fernandes de Oliveira – Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Roraima (2007) e doutorado em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2019). Professora da rede pública estadual de Roraima de 2002 a 2015. Atualmente é professora efetiva do Instituto Federal de Roraima.

Woroné (intérprete): Almira Biazon França. Graduada em Zootecnia pela UFRRJ. Mestre e Doutora pelo IFRR. Desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão junto a comunidades indígenas do estado de Roraima. Atualmente é Professora Adjunta na Universidade Federal de Juiz de Fora.

Foto: Geo Brasil

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

Fonte: ifce.edu.br

Comentarios

Comente