Número de doadores de órgãos cai 6,5% no Brasil no primeiro semestre de 2020

A Covid-19 também impactou a doação de órgãos e transplantes no primeiro semestre de 2020 no Brasil. De acordo com levantamento da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), divulgado nesta quarta-feira (12), a taxa de doadores efetivos caiu 6,5% em comparação com o primeiro semestre do ano passado.

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

Os números vinham crescendo gradativamente nos últimos anos. Em 2019, atingiu o índice de 18,1 pmp (por milhão de população) e, no primeiro trimestre de 2020, ainda sem a Covid-19, a taxa chegou a 18,4 pmp – próxima da projetada para este ano. Segundo o levantamento, esse número agora é de 15,8 pmp.

A ABTO também fez um comparativo entre os dois trimestres de 2020 e a queda foi ainda maior: 26,1%.

Três regiões tiveram diminuição nas taxas de doadores efetivos: Norte (47,4%), Nordeste (37%) e Centro-Oeste (12,6%). Houve aumento nas regiões Sul (5%) e Sudeste (3,1%).

Transplantes no Brasil
O Brasil realiza vários tipos de transplantes, como coração, fígado, pâncreas, rim, pulmão, córnea e medula óssea. Em junho deste ano, 40.740 pacientes estavam na lista de espera da doação.

A maior espera é para o transplante renal. São mais de 26 mil pessoas aguardando um rim. Em seguida, a córnea, com mais de 12 mil pacientes na fila.

Neste semestre, comparando ao primeiro de 2019, houve diminuição no número de transplantes de fígado (6,9%), rim (18,4%), coração (27,1%), pâncreas (29,1%) e, de forma mais acentuada, córneas (44,3%).

Também houve queda nos transplantes com doador vivo, tanto de rim (58,5%), quanto de fígado (23,6%), para evitar o risco de contaminação pela Covid-19 durante a internação para o procedimento.

Tipos de doadores
Segundo o Ministério da Saúde, existem dois tipos de doador, o primeiro é o doador vivo, que pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, contanto que este procedimento seja seguro. Um doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão.

A maior parte dos transplantes é feita com doadores falecidos, em pacientes que tiveram morte encefálica, geralmente vítimas de catástrofes cerebrais, como traumatismo craniano ou Acidente Vascular Cerebral (AVC). A morte tem que ser verificada pela equipe médica e comprovada clinicamente a partir de exames laboratoriais.

Foto: HC-UFTM/Divulgação

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

Fonte: Portal G1

Comentarios

Comente