Máscara pode reduzir gravidade de infecção por Covid-19, diz especialista

As máscaras se provaram uma das principais ferramentas de proteção contra o novo coronavírus, podendo reduzir o risco de infecção em até 25%, de acordo com um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

Segundo Monica Gandhi, especialista em doenças infecciosas da Universidade da Califórnia em São Francisco, é provável que as máscaras, ao bloquear algumas das gotículas portadoras de vírus, reduzem o risco de adoecer gravemente devido ao COVID-19.

Gandhi e seus colegas usaram informações epidemiológicas de vários países para escrever um artigo, publicado no Journal of General Internal Medicine, no qual eles propõem que as máscaras podem levar a infecções mais leves ou assintomáticas, reduzindo a dose do vírus que as pessoas inalam.

“Quanto mais vírus entra em seu corpo, mais doente você fica. Um pequeno número de partículas virais tem maior probabilidade de ser reprimido pelo sistema imunológico antes de proliferar”, disse Gandhi.

Na última onda de infecções nos EUA, o uso amplo de máscaras pode ser um fator para as taxas de mortalidade mais baixas – junto com mais testes, pacientes mais jovens e melhores tratamentos – aponta a especialista. Uma proporção maior desses novos casos foi leve ou assintomática, embora mais dados sejam necessários para se verificar se eles são rastreados geograficamente com taxas mais altas de uso de máscara.

Em todo o mundo, os padrões epidemiológicos parecem fornecer uma pista. Em países onde o uso de máscaras já era comum, como Japão, Taiwan, Tailândia, Coreia do Sul e Cingapura, e em países onde o uso de máscaras foi rapidamente adotado, como a República Tcheca, as taxas de mortalidade e gravidade da Covid-19 permaneceram comparativamente baixas.

“As máscaras podem prevenir muitas infecções por completo, como foi visto em profissionais de saúde quando mudamos para o mascaramento universal. Também estamos dizendo que as máscaras, que filtram a maioria das partículas virais, podem levar a uma infecção menos grave se você pegar uma ”, disse Gandhi. “Se você for infectado, mas não apresentar sintomas – essa é a melhor maneira de pegar um vírus”, concluiu.

A ideia de que a dose viral determina o grau da doença não é nova. As descrições de uma curva relacionando dose-mortalidade – quanto de um vírus é necessário para causar a morte de um animal – foram publicadas pela primeira vez em 1938. E, afinal, as primeiras vacinas, que foram documentadas na China do século 16, envolviam expor alguém a um pequeno quantidade de vírus da varíola para induzir doença leve e imunidade subsequente.

Os pesquisadores estudaram a dependência da dose com outras infecções virais, como a gripe. Em um estudo com voluntários saudáveis, aqueles que receberam uma dose mais elevada do vírus influenza A desenvolveram sintomas mais graves.

Como o novo coronavírus, o SARS-CoV-2, é potencialmente letal, os experimentos sobre a relação do uso de máscaras e gravidade da doença foram necessariamente limitados aos animais. Em um teste de laboratório, o uso de máscara cirúrgica entre as gaiolas de hamsters infectados e não infectados cortou significativamente a transmissão de Covid-19. Menos hamsters contraíram o vírus e aqueles que foram infectados apresentaram sintomas mais leves.

Em alto mar

Gandhi acredita que a teoria da dose viral ajuda a explicar uma característica incomum do novo coronavírus — o que Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas e membro da força-tarefa da Casa Branca no combate ao novo coronavírus, chamou de “manifestações multifacetadas”.

No início do ano, à medida que o Covid-19 se espalhava pelo mundo, os especialistas em doenças infecciosas começaram a notar uma irregularidade entre sintomas e gravidade. Alguns com teste positivo não pareciam nem um pouco doentes, alguns tinham sintomas de resfriado, outros perderam o paladar ou desenvolveram delírio e outros sofreram de pneumonia grave que levou à morte.

Os especialistas rapidamente se concentraram nas diferenças entre os pacientes, como idade e comorbidades, que podem afetar suas chances de doença grave. Mas os detalhes de dois surtos em navios de cruzeiro levaram Gandhi a pensar que a dose viral poderia ser outro determinante importante do curso da nova doença.

Em fevereiro, um dos primeiros surtos de Covid-19 fora da China ocorreu no navio de cruzeiro Diamond Princess ancorado em Yokohama, Japão. Das 634 pessoas a bordo com teste positivo, cerca de 18% das infecções foram assintomáticas. Em março, um navio de cruzeiro argentino passou por uma situação semelhante, mas das 128 pessoas a bordo que tiveram resultado positivo no teste, 81% eram assintomáticos.

Uma diferença fundamental, observou Gandhi, era que, no navio argentino, máscaras cirúrgicas foram entregues a todos os passageiros e máscaras N95 para todos os funcionários assim que o primeiro passageiro adoeceu.

Mais recentemente, uma fábrica de processamento de frutos do mar do Oregon, onde os trabalhadores eram obrigados a usar máscaras faciais, relatou um surto de 124 casos, 95% dos quais eram assintomáticos. Da mesma forma, em um surto na fábrica de processamento de frango da Tyson no Arkansas, onde os trabalhadores receberam máscaras obrigatórias, 455 de 481, quase 95%, eram assintomáticos.

Para a pesquisadora, esses estudos de caso sugerem que, se mais pessoas usassem máscaras, poderíamos ter casos menos graves do Covid-19 e uma proporção maior de casos assintomáticos, atualmente estimados em cerca de 40% dos casos pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos. Ela também reforçou que infecções mais brandas aliviariam o fardo sobre o sistema de saúde, salvariam vidas e até nos aproximariam da imunidade coletiva antes que uma vacina estivesse disponível.

Foto: Reprodução/Pixabay

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

Fonte: CNN Brasil

Comentarios

Comente