UPA Lagoa Seca, em Juazeiro do Norte, deve ser aberta para pacientes com Covid-19 até o fim de abril

_________

Com 1.200m², o local deve funcionar 24 horas por dia. A Secretaria da Saúde de Juazeiro do Norte planeja entregar mais 30 leitos exclusivos — quatro com respiradores — para pacientes com Covid-19, até o fim desde mês de abril. As vagas estão sendo preparadas na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), do bairro Lagoa Seca. Construído há mais de sete anos, o prédio, que estava fechado, foi readequado e aguarda a chegada de equipamentos.

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

Com 1.200m², a necessidade emergencial da pandemia foi fundamental para a abertura do prédio da UPA. “Estava fechado há muitos anos. Sentimos esta necessidade de direcionar aos pacientes da Covid-19 que precisem de internamento”, justificou o secretário de Saúde de Juazeiro do Norte, Lucimilton Macêdo. A expectativa é que funcione 24 horas. “Estamos na fase de aquisição de equipamentos para abrir e destinar para pessoas suspeitas e casos confirmados”, completa.

Ainda sem prazo para sua abertura, o secretário explica que por causa da grande procura de equipamentos e insumos em todo país, a estruturação da UPA está demorando. “Estamos cobrando o mais rápido possível”, enfatiza. “Queremos abrir até o final de abril. É prioridade”, completa Lucimilton. 

Além do Hospital Regional do Cariri (HRC), que é referência para outros 44 municípios da região em uma população somada 1,5 milhão, em Juazeiro do Norte há 30 leitos de Covid-19 no Hospital Maternidade São Lucas. Cinco estão ocupados. Soma-se a este número 30 leitos da UPA Lagoa Seca e mais 128 no hospital de campanha que será instalado no Centro Multiuso. “A gente vai primeiro vê como se comporta a demanda”, pondera o secretário. 

Impasse 
Concluído há mais de sete anos, a UPA Lagoa Seca nunca foi aberta. Em 2018, foi feita uma auditoria para identificar os problemas e as possibilidades de funcionamento do espaço. Seu relatório indicou que haviam vários itens que não estavam compatíveis com o projeto. Por isso, a Secretaria de Saúde de Juazeiro do Norte e a Procuradoria Geral do Município protocolaram uma Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa contra as empresas que executaram a obra.

Após o impasse, a situação se encaminha para ser resolvida com a empresa que executou esta e mais cinco obras em Juazeiro do Norte dando continuidade aos serviços. A gestão também solicitou ao Ministério da Saúde que o prédio se tornasse uma policlínica, porque o projeto para a Lagoa Seca seria uma UPA de porte 1, que tem orçamento bem inferior ao de porte 3, que já funciona na cidade, no bairro Limoeiro.         

--------------- PUBLICIDADE ---------------

-------------------CCEV-------------------

FOTO: Toni Sousa
(Diário do Nordeste)

Comentarios

Comente