Crato recebe manifestação regional contra cortes do Governo Federal

Representantes de centrais sindicais, membros de partidos políticos, artistas, educadores, estudantes e população em geral participaram na manhã desta sexta-feira, 12, de manifestações contra cortes do Governo Federal. O ato ocorreu nas ruas centrais do da cidade do Crato, desde a Praça São Vicente até à Praça Siqueira Campos, onde os manifestantes protestaram contra as investidas do governo que reduz verbas na Educação, reforma da Previdência, além do possível fechamento do Centro Cultural Banco do Nordeste.

As reivindicações pedem o fim do corte que afeta diretamente o ensino superior, além de ensino básico, conforme o representante de movimentos de esquerda no Crato, Kaká Araújo. Ele destaca ainda que a reforma da Previdência é outra iniciativa que prejudica diretamente a classe trabalhadora. Para ele, o governo tem que rever essas iniciativas para garantir o direito conquistado ao longo do tempo pela classe trabalhadora.

----- PUBLICIDADE -----
----- FIM DA PUBLICIDADE -----

A artista caririense Betty Gomes disse que está muito preocupada com a situação que se constrói a partir dos cortes de verbas junto ao Centro Cultural BNB. Para ela, a iniciativa inviabiliza as apresentações dos artistas e desestimula as novas gerações a seguirem por esse ramo profissional.

“O Cariri, que é um celeiro de artistas, é ainda mais prejudicado com o fechamento do Centro Cultural”, destaca.
Com o corte de verbas, os Centros Culturais BNB de Juazeiro do Norte, Fortaleza e Souza (PB), só devem ter condições de funcionamento até o mês de agosto. Além das apresentações, as bibliotecas também devem ser sucateadas ou mesmo fechadas. O professor Edson Xavier disse que a intenção é conscientizar a população sobre os prejuízos na educação, cultura e mesmo de renda que as iniciativas promovem.

Além de Crato, as manifestações ocorreram nas capitas e municípios dos demais estados brasileiros e Brasília-DF, onde tramita o projeto de reforma da Previdência. O projeto já teve seu texto base aprovado por 379 dos 513 deputados federais.                  

(Fonte: Site Badalo)

----- PUBLICIDADE -----
----- FIM DA PUBLICIDADE -----

Comente