Nesse momento: Supremo decide se Lula será solto; Gilmar Mendes vota a favor de petista

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar nesta terça-feira, 25, se o ex-juiz federal e atual ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sérgio Moro, 46, foi parcial com o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, 73 anos.

Primeiro ministro a votar nesta terça, Gilmar Mendes sugeriu que, se a Corte não analisar nesta sessão o habeas corpus, o petista deve ser colocado em liberdade. O julgamento havia começado em dezembro, quando Edson Fachin e Cármen Lúcia se posicionaram contra a declaração de suspeição de Moro.

Com as ponderações de Gilmar, Cármen Lúcia defendeu que seja julgada a suspeição do ex-juiz já nesta terça-feira.Cinco ministros integram a segunda turma. Faltam votar Ricardo Lewandowski e Celso de Mello. O julgamentoUm dos temas discutidos na sessão desta terça-feira é a possibilidade de Lula sair da prisão e aguardar em liberdade até a conclusão do julgamento em que o petista acusa o ex-juiz federal Sergio Moro de agir com “parcialidade” ao condená-lo no caso do triplex do Guarujá.O ministro Gilmar Mendes havia liberado esse caso para julgamento, mas pediu depois que o caso fosse retirado da pauta.

Mesmo sem devolver a vista, Gilmar propôs nesta terça-feira que o colegiado discutisse hoje se não concede uma medida para o petista ficar em liberdade até a conclusão do julgamento do caso Moro. “Diante das razões que eu expus, e do congestionamento da pauta, havia indicado o adiamento. Tem razão o nobre advogado (de Lula) quando alega o alongamento desse período de prisão diante da sentença e condenação confirmada em segundo grau.

----- PUBLICIDADE -----
----- FIM DA PUBLICIDADE -----

Como temos toda a ordem de trabalho organizada, o que eu proponho é de fato conceder uma medida para que o paciente aguardasse em liberdade a nossa deliberação completa. Encaminharia nesse sentido, se a o colegiado assim entendesse”, disse Gilmar Mendes na sessão.

STJO outro caso de Lula que deve ser discutido pela turma é um habeas corpus do petista contra decisão individual do ministro Felix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que negou individualmente um recurso do petista contra sua condenação no caso do tríplex do Guarujá.

No entanto, a Quinta Turma do STJ – em decisão colegiada e unânime – confirmou depois a condenação do ex-presidente por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso, mas reduziu a pena do petista de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão.

Isso significa que existe a possibilidade de esse recurso de Lula no Supremo ter “perdido o objeto”, já que a Quinta Turma do STJ fez ajustes na decisão monocrática de Fischer. Na prática, essa decisão monocrática de Fischer, contestada por Lula no Supremo, não existe mais. O julgamento desse recurso começou no plenário virtual da Corte, mas foi interrompido por um pedido de destaque do ministro Gilmar Mendes, o que trouxe o caso para a sessão presencial da turma.Fonte: Estadão

via News Cariri http://bit.ly/2Nbm3Wp

Cariri como eu vejo Bala Acidente miséria sitemiseria Noticias juazeiro badalo blogo do gesso blog do gesso crato regional g1 R7

Comente