Após quadra chuvosa, Operação Carro-Pipa já atende 55 cidades

A tendência é que o número de cidades assistidas pelo
Programa cresça no decorrer do ano de 2019.

FOTO: ALEX PIMENTEL

Vinte e dois dias após o fim da quadra chuvosa no sertão cearense, o Estado já contabiliza 55 municípios atendidos pela Operação Carro-Pipa, do Governo Federal. Até o momento, são 303 caminhões que garantem o abastecimento de água a uma população de aproximadamente 104 mil pessoas em áreas rurais.

Para as próximas semanas, já há pedidos oriundos do interior para ampliar a frota contratada.
A Comissão Estadual de Defesa Civil que faz atendimento exclusivo às sedes urbanas, por enquanto, está em fase de reorganização, mas vai começar a realizar o serviço na cidade de Choró, no Sertão Central, com cinco veículos.

Há outros pedidos para os núcleos urbanos de Mombaça, Monsenhor Tabosa e Pereiro.
Na maioria das cidades, as chuvas não foram suficientes para aumentar o nível dos açudes, e as cisternas que captaram água já secaram.

Em Tauá, na região dos Inhamuns, há 65 caminhões atendendo 624 comunidades e cerca de 25 mil moradores. “As chuvas foram reduzidas na maior parte do Município, e os açudes não tiveram recarga, por isso somos dependentes dos carros-pipas”, explicou o coordenador da Comissão Municipal de Defesa Civil (Comdec), José Hilton de Souza. “Mal terminou a estação chuvosa e a situação já é de crise. Há necessidade para cadastrar mais carro, imagine daqui pra frente”.

A cidade de Aracati é outra que tem necessidade da Operação Carro-Pipa. Dois veículos atendem parte da zona rural próxima à divisa com o Rio Grande do Norte. “Estamos aguardando para julho ou agosto mais um caminhão porque no sertão não há reservatórios e nem poços, sem outras fontes de água”, esclareceu a coordenadora da Comdec, Gerlane Oliveira.

Em Crateús, até o momento, 18 caminhões-pipas atendem 214 localidades rurais. São cerca de 13 mil pessoas, ainda segundo dados da Comdec. “No sertão não temos água potável e todos os distritos precisam dos carros-pipas”, pontuou o coordenador da Comissão, Antônio Raimundo da Silva.

No alto sertão cearense, Campos Sales e Salitre sofrem historicamente com a escassez de água nas localidades rurais. Mesmo no período chuvoso, há necessidade de permanência da Operação. “Infelizmente, nos últimos anos, as chuvas são poucas, e até que neste ano foi bom para lavoura em vários municípios, mas não fez água”, observa o diretor do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Salitre, Luís Silva. “No segundo semestre, no verão, a falta de água tende a aumentar”, acrescenta.

Já em Monsenhor Tabosa, a preocupação é quanto à redução da frota. “Temos vagas pra quinze carros, mas a partir do próximo mês só serão dez e 50 comunidades ficarão desabastecidas”, explicou Francisco Sérgio Monteiro Melo, coordenador da Comdec.

A cidade de Pereiro, no Vale do Jaguaribe, sofre há mais de cinco anos com a escassez de água. A Defesa Civil vai voltar a atender os moradores da sede urbana. Na zona rural, caminhões-pipas contratados pelo Exército já fazem a distribuição de água para as famílias. “Se não fosse essa água dos caminhões a gente não tinha como sobreviver”, lamentou a moradora Francisca Marques, moradora do Sítio Serra.       

  (Diário do Nordeste)

Cariri como eu vejo Bala Acidente miséria sitemiseria Noticias juazeiro badalo blogo do gesso blog do gesso crato regional g1 R7

Comente