Camilo Santana defende fim dos privilégios e garantia dos direitos dos mais pobres em reunião com governadores

Em reunião do Fórum de Governadores do País, em Brasília, que teve como debate principal a reforma da previdência, o governador Camilo Santana saiu em defesa da manutenção dos direitos daqueles mais necessitados na aposentadoria e o fim dos privilégios existentes no atual modelo previdenciário brasileiro.

“Estamos aqui em um momento importante em que se debate no Congresso Nacional um tema que é crucial, que é a reforma da Previdência. Estamos lutando por uma reforma justa, que possa tirar privilégios, mas garantir que não mexa com os mais pobres desse país e dos estados da Federação. Esse tem sido sempre o meu discurso em relação a essa proposta da reforma para que possa gerar o equilíbrio tão necessário ao Brasil e à retomada do crescimento”, disse Camilo Santana.

Além da presença da maioria dos governadores do Brasil, o encontro teve a participação do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do relator da proposta da Reforma da Previdência, deputado Samuel Moreira, e do secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho.

Durante o fórum, alguns temas específicos que mexem com determinados grupos e que no entendimento dos presentes não devem sofrer alterações do modelo atual de aposentadoria foram debatidos.

----- PUBLICIDADE -----
----- FIM DA PUBLICIDADE -----

“Nós colocamos claramente os pontos que são discordantes. Não mexer no Benefício de Prestação Continuada de idosos e deficientes que recebem um salário mínimo, que são as pessoas mais pobres do Brasil. Mexer com a aposentadoria rural nós também não concordamos. Retirar (da proposta) as questões da desconstitucionalização – garantindo que toda mudança na Previdência seja através de emenda à Constituição – e também da capitalização – defendendo um modelo de aposentadoria complementar com repartição e que continue a contribuição pelo lado patronal. Além disso, rever as mudanças para os professores, principalmente para as professoras, cuja proposta é aumentar em 15 anos a contribuição”, detalhou Camilo Santana.

Segundo o governador, “o próprio relator (da proposta) e o presidente da Câmara enxergam a necessidade de rever todos esses pontos e se isso for reconsiderado talvez haverá um consenso dos governadores na tentativa de garantir uma reforma que não prejudique os mais pobres e que retire privilégios”.

Agora à tarde, um grupo menor de governadores vai se reunir com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para tratar sobre esses pontos discutidos durante o encontro da manhã. Para Camilo, se as conversas evoluírem há uma grande chance da reforma da Previdência caminhar.

“Considero que foi uma das melhores reuniões que tivemos sobre o tema. Sempre defendo o diálogo como caminho para construir as soluções e é isso que a gente tem feito sempre no Ceará. Houve uma sinalização que esses pontos saindo da discussão nós conseguiremos avançar no projeto da reforma”, comunicou o chefe do Executivo cearense.

Fonte: assessoria do Governo do Estado do Cear

----- PUBLICIDADE -----
----- FIM DA PUBLICIDADE -----

Comente