Mortes por diabetes no Ceará diminuem, mas doença ainda preocupa

0

FOTO: José Leomar

A diabetes é um mal que acompanha a vida de inúmeras pessoas e pode ser também o ponto final da trajetória. De acordo com a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), 583 pessoas, entre 30 e 69 anos, morreram por conta da doença em 2018. Apesar das centenas de óbitos contabilizadas no último ano, o Estado registrou uma diminuição se comparado a 2017 – quando foram registradas 682 mortes.

Essa diminuição acompanha uma constante pois, desde 2015, os números de óbitos causados por diabetes têm decaído. Há quatro anos, 717 mortes por essa razão foram registradas, seguidas de 685, em 2016 e 682, em 2017.
Em relação à taxa de pessoas diagnosticadas com a enfermidade, os números de Fortaleza também apresentam diminuição, é o que aponta a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), do Ministério da Saúde.

De acordo com a Vigitel, entre 2016 e 2017, a taxa de prevalência na Capital cearense, em homens, caiu de 7,9% para 6,9%; e, entre as mulheres, a diminuição foi de 8,5% para 8,1%. A Vigitel analisa cinco mil resultados, em cada capital brasileira.

----- CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE -----
----- FIM DA PUBLICIDADE -----

Rotina alteradaA diabetes é uma doença que atinge o pâncreas, órgão responsável pela criação de insulina. Uma vez comprometido, a quantidade de glicose não é devidamente processada, acumulando açúcar no sangue – situação que pode agravar e criar outros problemas de saúde, como infarto e “pé diabético”, entre outros.

Para que os números estaduais e municipais relacionados à doença continuem em constante diminuição, o coordenador da Atenção Primária à Saúde de Fortaleza, Rui de Gouveia, sugere dois passos: readequação alimentar e prática de exercícios físicos.

“Quando o pâncreas começa a ficar cansado, ele produz menos (insulina). Então, a pessoa deve comer menos carboidratos, e ter maior moderação para forçar menos o órgão. E, ao praticar exercícios físicos, você está gastando a energia da glicose, que assim não fica livre no corpo”, complementa o coordenador municipal.   

(Diário do Nordeste)

----- PUBLICIDADE -----
----- FIM DA PUBLICIDADE -----
Share.

Comente

%d blogueiros gostam disto: